quinta-feira, agosto 23, 2012

Política e audiovisual com Claudio Assis em Belém

O premiado diretor de “A Febre do Rato” chega a Belém neste final de semana. No sábado, 25, das 19h às 22h, ele estará no Centro Cultural SESC Boulevard (2º andar, acima do auditório), ele participa de um encontro para discutir políticas e ações para a produção audiovisual nas regiões Norte e Nordeste, iniciativa da nova diretoria da Associação de Documentarista e Curtamentragistas do Pará – ABDeC, com apoio do Sesc Boulevard.  Entrada franca. No domingo, ele estará no Cine Estação e Secult-PA, para bater um papo com o público após a sessão das 10h, de seu mais novo filme, "A Febre do Rato", em cartaz no Cine Estação, realização em conjunto com a Secretaria de Estado de Cultura. 

Empossada em assembleia realizada no primeiro semestre do ano, no Instituto de Artes do Pará, a diretoria como presidente o ator, diretor e roteirista Adriano Barroso, a produtora Luiza Bastos, como Vice Presidente, a jornalista Lorenna Montenegro, na Diretoria Financeira, a atriz Ivony Figueredo, como Secretária Executiva, o produtor e realizador Ocimar Falcão, como Diretor Executivo e a jornalista e documentarista Luciana Medeiros, na Comunicação.

Cláudio Assis é o atual presidente da APCNN (Associação de Produtores de Cinema do Norte e Nordeste), que tem como vice-presidente, o paraense Afonso Gallindo, atual coordenador do Núcleo de Produção Digital do Pará, instalado no IAP, e que também estará presente no encontro de sábado. 

No último dia 10 de agosto, participando do Festival de Cinema de Triunfo, Cine Teatro Guarany, no Rio Grande do Sul, Cláudio Assis falou sobre a necessidade de participação dos realizadores na construção de uma política pública que atenda às demandas dos atores culturais. Esta será um das pautas deste encontro no Sesc Boulevard, que contará com a exibição de um VT que mostrará um pouco do que vem sendo produzido no Pará. 

A Febre do Rato
“Será um momento oportuno para todos que trabalham com cinema no Pará se manifestem e queriam tirar dúvida e também apoiar e atuar na busca de novas políticas e também pela regularização da profissão no Pará”, diz Adriano Barroso. 

No final do ano passado, o cinema paraense foi destaque de uma importante revista do setor cultural brasileiro (Bravo!), que abordou o novo olhar dos cineastas paraenses usando como exemplo filmes recentemente premiados em festivais nacionais, como Matinta, Mãos de Outubro e Ribeirinhos do Asfalto, que será agora em setembro um dos filmes que abrirá o Festival do Cinema Brasileiro de Londres. 

O Pará tem se tornado cada vez mais a bola da vez no cenário cinematográfico brasileiro. Além das produções locais de vídeos, curtas, médias e documentários, há equipes vindas de fora para filmar longas metragens, como “Eu receberia as piores noticias de seus lindos lábios”, de Beto Brant, feito em Santarém (2010). 

Entre as novidades ainda para este ano, está a volta da produção do “Serra Pelada”, de Heitor Dhalia, que será rodado em Belém, a partir de outubro, assim como o filme sobre a trajetória de Joelma e Chimbinha com a banda Kalipso (Globo Filme e Vira Lata Produções), com direção de Caco Souza e “Órfãos do El Dourado” (Matizar), com direção de Guilherme Coelho. 

“Nunca foi tão necessária a atuação de entidades que protejam os direitos dos trabalhadores de cinema no Pará. Em Belém já somos muitos profissionais que vivemos tão somente deste ofício e há mais gente que começa a fazer isso também em outros municípios paraenses”, diz o ator Adriano Barroso.

Além da ABDeC, há outra instituição responsável em lutar pelos diretos da categoria. 

O Sindicato Interestadual dos Trabalhadores na Indústria Cinematográfica e do Audiovisual - STIC, que também possui representação no Pará, tendo à frente a cineasta Sue Pavão. De acordo com Adriano, a ABDeC vai trabalhar em conjunto com o STIC e muitos outros parceiros para obter melhores resultados e ir em busca do que interessa aos cineastas, técnicos, roteiristas e demais profissionais que atuam com cinema aqui. 

"Precisamos sentar com o Governo do Estado e do Município também para propor algo nessa área, que tenha continuidade futura; precisamos discutir e definir piso salarial e outras conquistas trabalhistas legais. Então, há um coro aqui fora gritando ‘tá na hora’ e precisamos nos posicionar, arregaçar as mangas, ir para as ruas, nos fazer presentes e respeitados”, reforça Adriano. 

A presidente do STIC no Pará, Sue Pavão, também reconhece que as duas entidades devem trabalhar juntas e se dispõe a acompanhar as ações da ABDeC, buscando o fortalecimento também do sindicato e já propõe uma ação para conscientizar e filiar os interessados. Ela deve participar também do encontro, a fim de esclarecer a todos o processo de sindicatlização. 

“Já discutimos e estamos planejando diversas ações para filiações, refiliações e quitações de débitos, além de estarmos prestes a receber aqui a carteirinha nacional da ABDeC. Dentre os vários desafios que me julgo pronto para enfrentar há um que elegi como o maior, congregar verdadeiramente nossos abedistas em reuniões presenciais para que juntos possamos ouvir os anseios um dos outros e, ainda, juntos, possamos dar os passos necessários para o maior fortalecimento da entidade e de nossos ofícios”, continua Barroso.

A participação da ABDeC-Pa em encontros regionais e nacionais também será feita de forma mais intensa a fim de trazer novos parceiros, novas produções e acompanhar o que se discute nacionalmente no setor audiovisual. Por isso é que a entidade convida a todos para o encontro deste sábado, quando também serão anunciadas as próximas suas ações, como o I Bagacine, que será realizado uma vez por mês como espaço  de aproximação entre os realizadores paraenses. A primeira assembleia geral, onde serão expostas a metas da nova diretoria, também já está sendo organizada. 

“Esta será a oportunidade para conhecer melhor a ABDeC ou retornar a ela, caso tenha se afastado por algum tempo, conhecê-la e voltar com toda força para nossas lutas em prol do cinema paraense. Estamos crescendo e hoje além dos profissionais, um curso superior que está formando gente nova. Por tudo isso, precisamos nos organizar, só assim seremos tratados como verdadeiros profissionais do audiovisual”, finaliza o presdiente.

Serviço
Um panorama da produção e políticas do audiovisual nas regiões Norte e Nordeste. Encontro com Cláudio Assis, a nova diretoria da ABdeC-PA, STIC e realizadores paraenses. Neste sábado, 25, de agosto, das 19h às 22h, no 2º andar do Sesc Boulevard (Av. Castilhos França, em frente à estação das Docas). Entrada franca. Realização ABDeC-PA e Sesc Boulevard. No domingo, 26, o longa “A Febre do Rato” será exibido no Cine Estação, e logo após haverá bate papo com o diretor. Realização Cine Estação, Secult-PA. 

Um comentário:

Anônimo disse...

The articleice Machines introduces:This article about How To Buy Commercial Ice Machines For Restaurant,With the introduction of cutting edge and innovative technologies, a commercial ice machine is no longer a bulky device producing insanitation, consuming a lot ...

If you need more ice Machines infomation about How To Buy Commercial Ice Machines For Restaurant, Click here to find.

With the introduction of cutting ice Machines edge and innovative technologies, a commercial ice machine is no longer a bulky device producing insanitation, consuming a lot of energy, making noise, and taking a lot of time to make the needed supply of ice. As a result of high end technologies, commercial ice machines are able to achieve “being green” the highest levels of energy and water conservation. Now a commercial ice machine can easily produce from 65 pounds to 2,000 pounds of ice cubes in a day. You can find varied shapes of ice cubes such as dice, half dice, octagon, crushed, nugget, and flake.

Commercial ice machines are the standalone units,ice Machines designed to produce large quantities of ice for various commercial purposes. Once installed, these commercial ice makers are pretty automatic and do not need much attention from you or your staff. These factory-made machines consist of a condensing unit and ice-making section that operates as an integrated unit to make ice, an ice bin or a storage unit to store the created ice and a dispensing unit to dispense the ice out of the machine. Many automatic ice machines use moving water to create an improved quality of ice cubes. They work on the principle of “faster the water moves the better the ice quality becomes”. In this process, the air and un-dissolved solids get washed away. This results in pure and clear ice production.

Large amounts of ice are demanded for various purposes in many ice Machines commercial entities such as Restaurants, Bars, Ice Cream Parlors, Bakeries, Country Clubs and Golf Courses. A commercial ice machine is the perfect choice for such places as the large quantity of ice also needs to be a certain quality as well. Automatic commercial ice machines will make plenty of ice of equal size in a short span of time. All you need to do is just start the machine and set the required functions, and leave the rest up to the machine. You will get good quantity of quality ice in a short amount of time. In addition, many commercial ice machines come with a self cleaning function. This will help maintain the quality and quantity if the produced ice while decreasing the time that you and or your staff must spend with the machine.

Keep in mind that there are two varieties of ice machines: air cooled and waterice Machines cooled. Air cooled ice machines use air to disperse the heat, whereas water cooled ice machine uses water to do the same function. Air cooled ice machines use more energy and also are much noisier than water cooled ice machines. However, they are more affordable than water cooled ice machines.

An assorted collection of wonderful, fast and energy efficient commercial ice makers are readilyice Machines available in the market. Various renowned and reliable manufacturers have come up with their unique range of these amazing machines. Numerous models that create different types and sizes of ice are available in the local and online market. A competitive urge of creating more efficient and cost effective ice machines, has left the customers and consumers with a distinctive variety of these units in which to choose.